Boas práticas de instalação Laserway

Sala de equipamentos

• o ambiente deve ser dedicado exclusivamente às funções de telecomunicações e facilidades de suporte.
• por abrigar equipamentos ativos, ao contrário dos armários/salas de telecomunicações, a sala de equipamentos exige sistemas de apoio mais complexos (refrigeração, energia estabilizada, nobreaks etc.
• os sistemas de apoio devem ser locados em ambientes separados da sala de equipamentos, adequados para cada finalidade.

Backbone

• são permitidas apenas duas conexões cruzadas [cross-connect) para limitar a degradação do sinal.
• não devem ser usados poços de elevador como caminhos do backbone, pois apresentam risco elevado para os cabos. Também não é recomendável manter o acesso ao caminho de backbone aberto se não houver um técnico responsável junto.
• os cabos ópticos podem ser classificados quanto sua característica de retardância à chama, o que implica diretamente nos locais onde a sua instalação é permitida por norma, como segue:
• Cog – aplicação genérica para instalações horizontais e verticais em instalações com alta taxa de ocupação, em locais sem fluxo de ar reforçado.
• Riser – indicados para instalações verticais em shafts prediais ou instalações que ultrapassem mais de um andar, em locais sem fluxo de ar forçado.
• Recomenda-se utilizar cabos com capa lszh para ambientes internos.

Sala/armário de telecomunicações

• recomenda-se que cada andar tenha o seu próprio armário de telecomunicações, de forma a facilitar o encaminhamento de cabos de infraestrutura e permitir uma boa administração do cabeamento.
• no caso de uma sala de telecomunicações dedicada, recomenda-se reservar pelo menos 10 m² de espaço útil para locar equipamentos com sobra de espaço para fazer manutenção.
• deve-se prever um sistema de iluminação que proporcione boa visibilidade dos equipamentos valor mínimo sugerido 540 lux medido a 1 m acima do piso acabado.
• deve ser prevista a vinculação com o sistema de aterramento da edificação.
• recomenda-se que os racks de telecomunicações possuam guias verticais e horizontais que permitam a condução e organização dos cordões ópticos de manobra, respeitando limites de raios de curvatura e os esforços mecânicos a que estes produtos podem ser submetidos.

Cabeamento horizontal

• recomenda-se adotar comprimentos de cabos horizontais e cordões ópticos de conexão com medidas apropriadas para cada local, sem deixar muitas sobras.
• os splitters não devem ser utilizados no cabeamento horizontal.
• recomenda-se utilizar cabos com capa lszh [low smoke zero halogen) para ambientes internos, os quais são retardantes à chama e não emitem gases tóxicos.

Área de trabalho

• os splitters não devem ser utilizados na área de trabalho. Eles devem ficar na sala de equipamentos ou na sala/armário de telecomunicações.
• considerar a possibilidade de deixar reservas de cabos ópticos para facilitar emendas e manutenção de pontos.
• atentar para os raios mínimos de curvatura das fibras ópticas e dos cabos ópticos antes e após a instalação, conforme a especificação técnica de cada produto.
• equipamentos ativos de rede não devem ser instalados sob o piso elevado

 

WJ Sales
WJ Sales
Especialista em desenvolvimento de sites, lojas virtuais e sistemas. Faço parte da equipe que compõe a empresa Sales Publicidade. Atuamos em diversas áreas destinada ao Marketing. Faço publicações de artigos em blogs e nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image