A evolução da cadeirinha para crianças nos carros

Não é de hoje que  para passear com crianças em automóveis precisava de um cuidado especial, a diferença que no início não existia nenhuma regra específica que regulamentasse o transporte dos pequeninos nos automóveis. Mas quem viveu essa época, principalmente os país, sabem que deixar as crianças soltas no banco de traz, sempre trouxe muitos riscos.

Os primeiros automóveis priorizavam a velocidade, não se preocupando muito com a segurança dos passageiros, os pais que precisavam conter seus filhos, criavam diversas soluções para esse fim. Criavam artefatos onde pudessem acomodar os filhos de forma mais confortável e principalmente onde eles não pudesse ter muito acesso as outras partes do carro, mas a questão de segurança ainda estava longe ser o principal foco.

Com o passar do tempo os assentos começaram a evoluir, surgindo os primeiros cadeirões, que pareciam simples assentos usados para ser acoplados em mesas de jantar na época. Eram mais elaboradas, mas proteção mesmo era pouca, pois tinha apenas uma barra de apoio para manter a criança sentada no lugar e tinha a função de elevar a criança para que pudesse ter acesso ao visão da janela.

No final da década de 60  a montadora de Detroit Ford, estavam entre as primeiras a introduzir uma restrição frontal real: escudos de polietileno acolchoados para proteger a frágil coluna do bebê em um acidente. Hoje, voltamos os bebês para trás, o que é muito mais eficaz.

Logo em seguida, a General Motors lançou seu próprio assento para carro, que estava muito mais próximo das configurações de segurança que conhecemos hoje. A forma levantada do estilo do balde era um modelo para projetos subsequentes, embora a superfície de plástico não seja tão confortável quanto as cadeiras de criança de agora.

No início dos anos 70, em alguns países as leis de segurança nas estradas começaram a criar seus primeiro regulamentos, referente ao transporte de passageiros e crianças. Nos EUA foi exigido o sinto com alça e formato de Y de três pontas.

No Brasil apenas em 2008, é que se tornou lei o transporte de crianças em cadeirinhas, e ficou conhecida com a Lei da Cadeirinha e desde então transportar crianças com idade inferior a 7 anos e meio sem uma cadeirinha adequada, se tornou um a infração no código de trânsito, com multa e penalidade na carteira de motorista condutor do veículo.

O que mais dificulta em certos momentos, é saber ao certo até que idade e peso, é necessário o uso da cadeirinha, para isso foram criadas algumas regras, de acordo com cada tipo de criança. Lembrando que também além dessas regras o bom senso do responsável sempre deve ser usado, pois é uma regra padrão, mas que nem sempre cabe a todas crianças, pois algumas exceções podem acorrer.

Apenas ao usar o assento de elevação é que a altura se torna determinante: crianças que ainda não tenham 1,45 m não devem dispensar o dispositivo, mesmo que tenham idade acima do previsto pela norma.

A regra do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) sobre cadeirinhas utiliza faixas etárias para indicar o equipamento mais adequado:
– bebê conforto deve ser usado por crianças de até 1 ano;
– cadeirinha deve ser usada de 1 a 4 anos;
– assento de elevação é para crianças de 4 a 7 anos e meio;
– banco de trás, só com cinto de segurança, é indicado às que têm de 7 anos e meio a 10 anos, com 1,45 m de altura, no mínimo.

O Inmetro, ao certificar os produtos, dividiu-os em grupos de acordo com o peso, altura e idade:
– grupo 0: crianças de até 10 kg, 0,72 m de altura, 9 meses
– grupo 0+: até 13kg, 0,80 m de altura, 12 meses
– grupo 1: de 9 kg a 18 kg, 1m de altura, 32 meses
– grupo 2: de 15 kg a 25 kg, 1,15 m de altura, 60 meses
– grupo 3: de 22kg a 36 kg, 1,30 m de altura, 90 meses

No momento de escolher a cadeirinha certa, é bom que os pais observem bem o produto, se tem o selo do Inmetro e se preocupem com o conforto das crianças, uma cadeirinha desconfortável pode trazer algumas dificuldades para que a criança se acostume com o equipamento. Por isso muitos especialistas, recomendam que ao ir comprar a cadeirinha, leve a criança junto, para que possa testa-la antes de concluir a compra.

 

WJ Sales
WJ Sales
Especialista em desenvolvimento de sites, lojas virtuais e sistemas. Faço parte da equipe que compõe a empresa Sales Publicidade. Atuamos em diversas áreas destinada ao Marketing. Faço publicações de artigos em blogs e nas redes sociais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image